Conheça Bianca Pereira, a nutricionista que criou o programa “Pense Bem e Emagreça”

Sandrinha Flávia – Editora, locutora, apresentadora e mestra de cerimônias

A especialização em coaching de emagrecimento com estudos em PNL e neurociência mudou a forma como Bianca realiza seus atendimentos.

Estamos vivendo um momento em que as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a saúde. Aos poucos, hábitos alimentares não ideais estão ficando para trás. Essa busca por uma alimentação melhor reflete diretamente no trabalho da nutricionista Bianca Pereira.

Aos 39 anos, casada, mãe de dois filhos, a vida da nutricionista é uma correria, mas não uma loucura, pois é planejada.

Natural de Belo Horizonte, capital mineira, a rotina da profissional começa cedo com atividade física, o que dá energia para a sequência de atividades profissionais que se seguem durante o dia.

São vários atendimentos, gravações e produções de textos para as redes sociais, e ainda sobra tempo para frequentar a igreja duas vezes por semana, às vezes como cantora. Aos finais de semana, a família é o foco, folga para os passeios com o marido e os dois filhos.

No início da carreira, Bianca atuava apenas como nutricionista em consultórios. Com o passar do tempo, percebeu que estava faltando algo para ajudar as pessoas a manterem o foco durante o processo de emagrecimento e permanecerem magras. Foi aí que resolveu se especializar em coaching de emagrecimento, com estudos em PNL e neurociência.

Logo veio uma nova ideia. A nutricionista criou o Programa Pense Bem e Emagreça, ganhou vários seguidores nas redes sociais que se transformaram em clientes. Segundo ela, “ o programa visa transformar os meus clientes de dentro para fora e consequentemente desfrutam de resultados mais satisfatórios e a longo prazo.”

O sucesso que hoje Bianca Pereira conquistou foi plantado com muita dificuldade, mas a força de vontade e a colaboração de muita gente foram combustíveis para ela continuar.

Tudo começou ainda na infância. Sua mãe, Ivone das Graças, sempre se preocupou com a boa alimentação. Essa referência foi definitiva na hora da escolha da profissão.

Durante uma amostra de profissões no Centro Universitário de Belo Horizonte – UniBH, Bianca conheceu vários cursos, dentre eles nutrição. Naquele momento não teve dúvidas, e decidiu que seria essa a profissão que queria para a vida.

Bianca explica que foi aí que começou a saga, “fiquei durante um ano e meio tentando bolsa pela própria universidade. Todo final de semestre, eu ficava devendo mais de R$3 mil e cada final de semestre, eu fazia um empréstimo, parcelava com cheque ou pedia às pessoas dinheiro emprestado. Depois de um ano e meio, consegui 50% de bolsa, mas já estava completamente endividada. E foi assim durante os 4 anos de graduação, pagando os empréstimos, mensalidades, passagens de ônibus, xerox e lanches. Não foi fácil”, relata Bianca.

Além das dificuldades financeiras, estudava no turno da manhã, saía de casa às 5h30. No período da tarde seguia para o trabalho em um CallCenter de venda de medicamentos e só voltava para a casa às 22h.

Por conta das longas horas fora de casa, Bianca não tinha um contato diário com o filho. Por causa dessa ausência, a criança começou a dar trabalho na escola e em casa. Esse era o maior desafio, “várias vezes eu quis desistir porque ele sentia muito a minha falta e ficava agressivo comigo e na escolinha”, disse.

Sua mãe, principal incentivadora, cuidava do pequeno e sempre tinha palavras de incentivo na ponta da língua a qualquer sinal de desistência. “Minha mãe cuidava do meu filho com muito carinho, dizia que tudo isso ia passar, me dava todo dinheiro que conseguia com o trabalho de cabeleireira, e para completar a renda, produzia sanduíche natural para eu vender na faculdade”.

Os incentivos também vinham do seu marido Fábio, seu pai Benedito Gregório, e suas tias Rosália e Zenilda.

Além dessas dificuldades, ainda tinha as barreiras raciais. Única negra da sala e que trabalhava fora, a futura nutricionista sentia na pele as diferenças no dia a dia.

Com muita dificuldade, ela conseguiu se inserir em um grupo de amigas que, apesar de serem de classe média e brancas, a tratavam muito bem, e com igualdade, diferente das outras alunas da sala. Apesar de todas as diferenças sociais, culturais e raciais, as notas eram sempre altas.

A caminhada seguia até que chegou o momento do estágio. Mais uma vez, Bianca viu a diferença racial falar mais alto. “Realizei estágios em clínica, hospital, UAN (cozinha) e asilo. Adorava cuidar dos idosos. Foi bom, mas o fiz com minhas amigas brancas e de classe média e no hospital especificamente sentia certa distinção por causa da raça e do poder aquisitivo”.

No estágio em UAN, a nutricionista chefe gostou tanto do trabalho de Bianca que a contratou para mais seis meses de estágio remunerado, e dizia que em breve a colocaria no lugar dela.

Feliz com a notícia ela criou expectativas, mas depois de 2 meses, engravidou do filho mais novo. Naquele momento, ela achou que sua carreira iria desabar, mas como ela mesma disse, “Deus tinha planos maiores.”

Não havia espaço para o desânimo, era mais um obstáculo, mas tinha um propósito em sua vida: cristã e mulher de muita fé, buscou em Deus a provisão financeira para conseguir uma colocação profissional assim que terminasse a graduação. “Assim que me formei, fiz panfletos e entregava por onde passava, escolas, sacolões, igrejas etc. Um dia, surgiu a oportunidade de trabalhar em uma clínica, área que eu sempre quis, daí não parei mais”.

Bianca se formou em 2009. Logo após, cursou pós-graduação em nutrição clínica e fez vários cursos de fitoterápicos. Em 2017 se especializou em coaching de emagrecimento consciente, o que deu uma reviravolta em sua forma de trabalhar, “com o curso de coaching entendi como funciona nosso cérebro através da neurociência e PNL, então percebi que para acontecer o emagrecimento definitivo é preciso primeiramente transformar a mente, porque no nosso cérebro existem 4 engrenagens cerebrais: 1°pensamento, 2° sentimentos/emoções, 3° Comportamento e 4° hábitos”.

Agora, a nutricionista considera o atendimento mais completo tanto do corpo como da mente. “A pessoa troca o chip de gordo pelo chip de magro, e permanece magro para sempre”, finaliza.