Tia Elza: “Quando ouço a batida do Surdo é como se fosse o meu coração batendo”

Cantora mineira conta sobre o seu amor pelo samba e relembra como tudo começou

Por Sandrinha Flávia – Jornalista, locutora, editora e mestra de cerimônias

Aquela menina, que vivia a cantarolar no banheiro, no quintal e nas ruas de sua casa, atraindo olhares e elogiada por seu timbre de voz marcante, se tornou uma importante representante do samba mineiro.

Elza dos Santos mais conhecida como Tia Elza cresceu em um lar festivo, onde as datas importantes eram sempre motivo para comemorações. Foram dessas reuniões entre familiares e amigos, ao som de um selecionado repertório musical que nasceu aquela que viria a se tornar uma grande cantora de samba.

A inspiração maior para a música, veio da sua irmã Leide Santos que era Croonner de banda. Alguns ensaios dessa banda aconteciam em sua casa.Tia Elza, ainda criança, acompanhava tudo de perto. Seus olhos brilhavam ao ver a desenvoltura e talento de sua irmã interpretando cantoras como, Dalva de Oliveira, Ângela Maria, Núbia Lafayette e tantas outras grandes profissionais da época. Quando não tinha ensaios, a vitrola que comandava o som. Os vinis eram variados, ampliando assim o seu conhecimento musical.

Foi assim que a vontade de cantar foi ganhando força, “Eu ouvia   Elizete Cardoso, Elza Soares, Ângela Maria, Dóris Monteiro, entre outras. Depois apareceram, Alcione, Elis Regina, cantoras que eu me identificava tanto com as vozes quanto com o repertório”. Disse.

Certa vez, quando Tia Elza já estava na fase adulta, seu irmão havia ganhado um violão, prêmio de uma rifa que ele havia comprado fiado. Aquele violão não viria parar naquela casa por um acaso, o instrumento parado no canto daquele quarto a incomodava, então resolveu tomar uma decisão e começar a tocar,

Comprei umas revistas com músicas cifradas e fui tentando tocar até conseguir tirar som. Eu pedia para um vizinho que já tocava afinar o instrumento pra mim e ele fazia. Daí um certo tempo, o vizinho começou a ficar de saco cheio de ter que afinar o violão, e ficava com má vontade, falava que não podia naquela hora, foi aí que eu resolvi que não pediria mais a ele, comecei a me virar”. Conta.

Persistente, Tia Elza foi tentando sozinha até conseguir uma afinação desejada. Já com algumas músicas na ponta da língua e notas musicais em dia, saiu por aí cantando o pouco que já sabia. Era em sua própria casa, ou em casas de amigas e amigos, até que um dia, quando cantava em uma festa, surge o eterno Maestro Ivan Silva.

Quando o maestro ouviu aquela voz, ficou encantado e começou a levar Tia Elza aos lugares onde ele tocava, “Foram momentos de muito aprendizado, depois ele montou um Piano Bar e me levou pra cantar.”

A partir desse momento, estava lançada a cantora que seria mais tarde uma das maiores referências do samba em Minas Gerais. Maestro Ivan Silva, já falecido é sempre lembrado e homenageado nas apresentações da cantora.

Um período muito importante na carreira de Tia Elza, foi quando ela se tornou empresária. O Bar da Tia Elza tinha como foco a música ao vivo onde ela tocava e também contratava outras bandas, “Eu tive bar durante 28 anos voltado para música de qualidade de uma maneira geral, dando oportunidade para músicos iniciantes, e também influenciando algumas pessoas que tomaram gosto pela música acompanhando o meu trabalho.”

A cantora ficou ainda mais conhecida na época do bar e o seu número de admiradores foi crescendo. Alguns músicos que passaram por lá, hoje bem crescidos dizem: eu sou músico por sua causa. Esse tipo de relato emociona a artista, “Isso é pra mim  motivo de muito orgulho, sinto que valeu muito a pena essa minha luta.” Disse.

O seu primeiro CD foi gravado em 2007, no estúdio Toca do Saldanha, produzido e mixado por Renato SaldanhaEm breve iniciará a gravação de um novo álbum no Rio de Janeiro RJ, para isso, Tia Elza já tem várias canções definidas e está em busca de patrocinadores, “Estou a mais de um ano tentando um patrocinador, infelizmente ainda não consegui“. Relatou.

Sobre o cenário musical do samba em minas, Tia Elza acredita que está cada vez mais forte, “Tem muito sambista bom em Minas Gerais e a Juventude está chegando também. Tem muita gente jovem tocando e compondo, não estão perdendo para os tradicionais do país não. Estou muito feliz em vivenciar esse crescimento.”

E por falar em crescimento profissional, recentemente Tia Elza esteve se apresentando no quadro 10 ou 1.000 do Programa do Ratinho no SBT onde arrancou elogios dos jurados.

Ao longo da sua caminhada profissional, Tia Elza já se apresentou ao lado de cantores ilustres como Ataulfo Alves Júnior, Toninho Gerais, Moacir luz, Aline Calixto, Samba na Roda da Saia, etc. Há pouco, se apresentou com Velha Guarda da Portela na cidade do Rio de Janeiro RJ.

No carnaval 2019, Tia Elza é a responsável por puxar o “Bloco do Samba” criado pelo Mundi-Movimento Negro de Divinópolis e participa também do Bloco “Filhas de Clara” na cidade de Belo Horizonte – MG, ao lado das cantoras Aline Calixto e Marina Machado.

Ao responder à pergunta sobre o que o samba significa em sua vida Tia Elza se emociona, “O samba representa pra mim uma força que tira de dentro da gente uma energia contagiante e inexplicável. Quando ouço a batida do Surdo é como se fosse o meu coração batendo, e tem ainda o poder de agregar e envolver as pessoas tanto que ninguém pensa em mais nada a não ser sentir o ritmo e as letras que são muito fortes.” Finalizou.

Foto:

Revisão: Zane Santos