Risco de Apagamento

RISCO DE APAGAMENTO

Uma das características do racismo é o apagamento da história negra, quando não por negligência, por ação deliberada e proposital. A Obra “Híbrida Ancestral – Guardiã Brasileira”, da artista mineira Criola, grafiteira cujo trabalho remete sempre à identidade de matriz africana, corre risco de ser apagada. O trabalho em questão é um mural criado pelo projeto Cura e ostenta a imagem de uma mulher negra de 1365 m², no prédio do condomínio Chiquito Lopes, no Centro de Belo Horizonte. Segundo a própria artista, a obra é “um caminho interno de honra às mulheres e seu sangue sagrado, de honra ao povo preto e aos povos originários brasileiros e seus descendentes como legítimos guardiões dos portais da espiritualidade que sustentam o nosso país”. Segundo a produção do CURA, festival voltado para as artes visuais na cidade, na ocasião da criação do mural os moradores foram devidamente consultados, sendo que apenas um dos moradores foi contrário. Esse morador ingressou uma ação na justiça com base numa lei do período militar (Lei 4591/1964) para sustentar que a obra precisaria da aprovação unânime de todos os condôminos. Segundo o autor da ação judicial, a obra “Não é uma simples pintura, é uma decoração de gosto duvidoso”.⠀A organização do festival entrou com recurso.

Foto: Mural Híbrida Astral – Créditos: foto Área de serviço.jpg