Quando a escassez de alimentação saudável é o combustível para empreender e inovar: conheça a Tapioca D’Lu

Por Sandrinha Flávia

Maria de Lourdes de Sousa Silva, 42 anos, mais conhecida como Lu Silva é apaixonada por alimentação saudável. Para suprir as suas próprias necessidades e incentivar as pessoas a se alimentarem melhor, resolveu investir em um negócio próprio, a Tapioca D’Lu. Com um cardápio variado em sabores doces e salgados, vegano e vegetariano, a empresa se diferencia no modo de preparo: a fabricação é auto-sustentável e os produtos utilizados são  agroecológicos.

Lu Silva sempre teve uma vida movimentada, envolvida em trabalhos com projetos sociais, eventos, participações em palestras e cursos. Sua maior dificuldade, conforme frisa era na hora da alimentação. Vegana e adepta ao estilo de vida saudável, tinha dificuldades para encontrar   uma alimentação que a agradasse nos intervalos das atividades. “O jeito era comer o que tinha, mas sempre passava mal”, explica.

Em 2016, uma amiga a convidou para fazer tapioca em uma festa de temática baiana. Naquela época, Lu Silva já tinha habilidades como cozinheira, pois já exercia essa profissão em casa de família. O convite foi aceito, mas Lu não sabia nada sobre o mercado de tapiocas, era tudo uma novidade para ela. Por isso teve que virar noites pesquisando. Ao sentir segurança, investiu 500 reais no negócio para comprar a chapa, o aro e outros produtos necessários. No dia do evento, as vendas foram um sucesso e foi assim que nasceu a Tapioca D’Lu, um projeto que comungava com o seu estilo de vida saudável.

Quando ainda era criança, sua mãe Matutina da Cruz, uma lavadeira, e seu pai, Expedito Cândido, agricultor, e os sete irmãos, migraram da zona rural para a cidade de Santa Luzia(MG). Aos 12 anos, Lu Silva foi trabalhar como empregada doméstica. Na primeira oportunidade que teve,  se matriculou em um curso de dança afro e logo conseguiu uma autorização para dar aulas, mas o trabalho como professora de dança não era suficiente para bancar as suas despesas, então optou conciliar as atividades com o trabalho de doméstica e faxineira. Como gostava de arte e cultura, praticava também capoeira e fazia artesanato.

Mãe solo de duas meninas, Lu Silva conta com a ajuda de uma das filhas, Iamirrany, e do genro, Rubens, na fabricação das tapiocas. Quando precisa de reforço, aciona os parentes e amigos. No início, as vendas não eram tão satisfatórias, mas nunca desistiu.  Continuou investindo em conhecimento, fez curso de manipulação de alimentos pela PUC- Minas e prefeitura de BH, estudou Pequenos Negócios, Microempreendedorismo e Gestão Financeira.

Uma das preocupações da empreendedora era com o uso da farinha industrializada. O gosto do catupiry também não era do seu agrado. Após pesquisar, encontrou um jeito de aprimorar os produtos. Hoje a farinha usada não é de goma, nem de polvilho, é feita de fécula de mandioca; o catupiry foi substituído por creme de queijo. Quando lhe sobra tempo, é ela quem faz a carne de sol, e no lugar da nutella investiu em ganache de chocolate. O coco é ralado na empresa e o morango em calda, ou seja, tudo é natural.  

Mesmo enfrentando dificuldades para encontrar insumos ecológicos para a produção, a empresária não abre mão do propósito do negócio:ser autossustentável, utilizar produtos agroecológicos e fazer compostagem de todo insumo usado.

A tapioca é, sem dúvida, o carro chefe da empresa, mas o cardápio inclui também lanches diversos, sucos naturais, tropeiro tradicional e vegetariano. “Tudo é feito sem conservantes e respeitando o meio ambiente. Eu uso muito alho, limão, tempero baiano, mistura de ervas e óleo de coco visando à sustentabilidade”, diz Lu. A empresa oferece  também coffee Break e atende camarim.

Foto: Cecília Pederzoli

Engajada nas pautas da alimentação saudável, Lu se tornou vice-coordenadora da Rede de Alimentação da Economia Solidária, projeto que tem como objetivo incentivar a rede de empreendedores sobre a importância da alimentação saudável. Com o trabalho cada vez mais reconhecido, em 2019, a Tapioca D´Lu foi convidada a participar do selo Estômago da Lagoinha, projeto idealizado pelo chefe Miller e formado por dez estabelecimentos do bairro Lagoinha(BH).“Estou animada com o crescimento da empresa. Fico feliz quando vejo o cliente dá aquela primeira mordida, fico ansiosa pra ver a cara da pessoa. Estou muito satisfeita com o retorno dos clientes; é esse o objetivo que eu queria almejar e consegui”, finaliza.

Sandrinha Flávia é jornalista, locutora, editora e mestra de cerimônias.