Zora Santos faz comida da bisavó na tela do computador

Por meio  da web gerações se encontram e promovem o resgate da
verdadeira comida mineira

Por Moisés Mota

Hoje cozinheira, Zora Santos frequentou diversas passarelas de moda na Europa. A ex-modelo e atriz dedica seu tempo à arte culinária da cozinha mineira de raiz. Seu trabalho de garimpo de receitas de família e uso de ingredientes “não convencionais” lhe confere o título de pesquisadora, mas não o aceita. Prefere ser reconhecida como preservadora da arte culinária, esta cultivada no seio familiar há séculos.

Ao perguntar a ela quais são suas referências no campo culinário, ela responde ser suas “tias velhas da cozinha” e completa “não idolatro os chefes pela gourmetização da comida”. Segundo ela, o termo gourmet despreza a simplicidade da cozinha mineira. Também refuta o termo PANC (produto alimentício não convencional) e afirma que faz comida de gente, pra gente e usa a culinária como espaço de resistência.

Natural de Belo Horizonte, mas com raízes familiares na região central do estado, cultiva a arte de cozinhar sem as vestes da elite. Faz comida de gente preta e faz questão de afirmar o poder do “ser cozinheira”. “Na Europa, eu fiquei impressionada com o respeito que os cozinheiros tinham. No Brasil é diferente”, pontua Zora.

Criadora do projeto Comida de Cerca, ficou paralizada devido à pandemia do novo coronavírus. Durante os primeiros meses ficou sem trabalhar, mas, em dado momento, depois de uma sugestão da amiga Ana Maria Gonçalves (autora de Um defeito de cor) abarcou a rede web para continuar seu trabalho. A proposta deu certo e é regularmente realizada uma live com vários inscritos. Todos cozinham juntos sob a batuta da cozinheira multiartista Zora Santos.

Seu trabalho tem promovido momentos de destaque na cena nacional e internacional, entre eles destacamos a participação no programa Parts Unknown apresentado pelo chef Anthony Bourdain em que debate sobre a história das comidas das Minas Gerais. Zora promoveu, nestes tempos de isolamento, uma alavancada para as pessoas descobrirem o sabor da verdadeira comida mineira, que não passa pela gourmetização.