Camilo Gan: Plural e Singular

Moises Mota, jornalista e membro do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais.

Doutor Camilo Gan é um artista plural como dançarino, músico, compositor, educador e produtor. É licenciado em música pelo Instituto de Ensino Superior Izabela Hendrix e Doutor Honoris Causa pela Ordem dos Capelães do Brasil. Natural de Belo Horizonte, sua carreira profissional iniciou-se em 1998, conectada aos saberes da cultura negra.

Ao longo de seus 24 anos de estrada, Camilo vem criando e realizando trabalhos que representam seu comportamento em ações socioeducativas, fundamentadas nos conceitos “afrobetizadoras” e “pretagógicas”.

Seus projetos possuem como fio condutor a valorização da cultura negra e suas origens, bem como o combate ao racismo e a promoção da igualdade racial. Cada projeto aborda esse tema singularmente, seja através da música (Samba de Terreiro, Bloco Afro Magia Negra, Babadan Banda de Rua e Per-Concertos), da dança e expressão corporal (Corpo Oralidade), ou por meio de iniciativas socioculturais e comunitárias (Instituto Afrormigueiro). Todos eles pretendem preservar e difundir a cultura afro-brasileira, além de promover a inclusão social e a valorização da diversidade cultural brasileira.

Na dança, é atual coreógrafo e dançarino do grupo Samba de Terreiro e do Bloco Afro Magia Negra. Também atuou no espetáculo Orange Lady que integrou a programação do Festival Internacional de Arte Negra em homenagem ao multiartista Marku Ribas.

A pluralidade e singularidade caminham juntas, consonantes, promovendo um legado a solidificar a cultura ancestral em um patamar de respeito e valorização.

Foto Acervo do Artista