Mwana Afrika, a jornalista que está levando conteúdo sobre o continente africano para o mundo

Por Sandrinha Flávia, jornalista, mestra de cerimônias, empresária e editora

Desde fevereiro de 2018, Mwana Afrika grava vídeos para o projeto que leva o seu nome, Mwana Afrika – Oficina Cultural. A produção faz parte de um quadro veiculado na TV Pública de Angola. As pautas dos vídeos abordam danças, ciências, símbolos culturais, filosofia, tecidos e tantos outros temasque retratam o universo de Angola. A formação em jornalismo e economia e finanças foram fundamentais para ela realizar o que ama: contar histórias e publicá-las. A jornalista ressalta que se sente muito bem com esse trabalho e quea profissão é uma forma de ensinar e aprender o tempo todo.

A ideia da Oficina Cultural começou como uma espécie de Academia Panafricanista nas ruas de Lisboa como ela mesma explica: “Eu juntava pessoas de várias etnias, raças, idades, e “aculturava-as” com África.” Com o crescimento do projeto, Mwana resolveu dar uma parada para reestruturação. O projeto agora será ampliado para várias cidades do mundo. “Quero ver a África na boca do mundo pela positiva, quero levar nossos valores, nossa variedade cultural e linguística, nossa sabedoria ancestral e muito mais.”, diz orgulhosa da sua terra.

Sua bagagem cultural vem de muita dedicação a pesquisas e várias vivências pessoais viajando por quase 20 países, sempre trazendo aprendizados e ensinamentos. “Quem viaja ou tem a experiência de viver num país diferente, nunca é a mesma pessoa. As experiências de vida valem muito, levamos para a vida toda. Conheço quase a Europa toda.” As próximas viagens da jornalista serão apenas pela África. Ela pretende passar por Ghana, Senegal, Quênia, Congo etc.
Atualmente divide sua moradia entre Portugal e Angola. Mas Mwana tem sangue brasileiro, pois nasceu no Brasil. “Nasci e vivi no Brasil. Cresci em Angola e atualmente vivo em Portugal.” Sobre a sua família, ela fala o suficiente: “Minha família é tudo pra mim; se hoje sou o que sou, é graças à minha família. Venho de uma família muito trabalhadora, dedicada e com uma educação que vale ouro”.

Para o próximo ano, Mwana pretende, talvez, lançar o seu primeiro livro, para isso ela está focada nas pesquisas: “Gostaria que os conteúdos retratad13os no meu programa de TV dessem lugar a um livro. Pretendo escrever para documentários e também vem aí o livro de ensino básico de línguas africanas. Estamos a terminar a produtora “Mwinda” e brevemente teremos muitas novidades”.

Visite o canal Mwana Afrika no YouTube e conheça mais sobre África.