Soul Xx, de alma aberta para o mundo

Por Fernanda Luá
Jornalista pelo Centro Universitário UniFanor- Wyden e Mestranda em Comunicação pelo Programa de
Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Ceará

Sem dúvidas, a arte é um meio de transformação social. Em busca de trilhar novos caminhos, o rapper, afroempreendedor e pai de duas crianças, Soul Xx, 25, decidiu fazer música e poesia a partir de suas vivências pessoais. Esse rapper que se chama Carlos Eduardo e tem como nome artístico Soul Xx, diz que o nome surgiu quando em um determinado momento de sua vida declarava que tudo o que fazia era genuíno, fruto da exteriorização de sua alma. 

Ele afirma também possuir duas personalidades, a de Soul Xx e a de Carlos Eduardo. Carlos é uma pessoa humanista que entra em conexões, que gosta de conversar, ajudar o outro, de fazer o diferente. Já Soul Xx é mais agressivo, gosta de levar a verdade em forma de trocadilho, pegar a realidade como Carlos e a transformar em arte. “Eu vivo isso, duas personalidades, onde uma se encontra na outra 24 horas. Eu brinco com meu filho, mas preciso fazer o trampo de arte”, diz Xx.

 O rapper que reside em Vila de Nossa Senhora Aparecida na região do Aglomerado da Serra – considerada a maior comunidade de Belo Horizonte, Minas Gerais – passou a transformar artisticamente o local onde está inserido. Essa movimentação surgiu em meados de 2019 quando Xx que na época possuía uma banca de salgados e cachorro-quente passou a contactar artistas locais e a mobilizá-los dando início a primeira batalha de rap do Mirante e, em seguida, a uma série de empreendimentos, todos geridos por ele como a gravadora independente Mirante Music, o Favela Cast Show, Mirante Burger, a Açaiteria Mirante e o Mirante Food. “Foi na luta, correndo atrás, comecei a focar naquilo que eu queria para vida que era trabalhar com música, com a arte e ter uma renda para minha família porque eu sabia que a arte não ia me dar dinheiro tão breve”, comenta Soul Xx. 

A questão financeira na parte artística é a maior questão para o fomento e expansão das atividades realizadas e gerenciadas por ele que busca aos poucos reverter essa situação, mas até não resolver esse estado vai continuar a desenvolver e fincar as bases de cada um dos seus projetos. “Tento conciliar isso tudo pegando os pilares e sabendo o que cada instituição precisa para andar e trabalhar nessa base e consigo complementar chamando outras pessoas para desenvolver na base que criei, entendeu? Cada projeto, cada coisa tem um direcionamento, só não tem o dinheiro, mas eu acredito que estamos direcionando e sigo firme”, afirma Xx.

Foto: Studio Beco – Ronald Kwesi